Data 14.07.2020

Diagnóstico Precoce

Diagnóstico precoce salva-vidas

Todos os anos, surgem anualmente na Europa cerca de 400.000 mil novos casos de cancro da próstata e morrem cerca de 90.000 homens. Fruto das mudanças de comportamento masculino e da emergência de novos tratamentos mais inovadores, hoje em dia, já é possível obter taxas de sucesso próximas dos cem por cento, desde que o cancro da próstata seja detectado numa fase inicial.

Andreia Pereira

O diagnóstico precoce e o desenvolvimento de novos tratamentos têm ditado uma mudança de paradigma do cancro da próstata na última década. Mas, apesar de todas as armas terapêuticas Disponíveis, em Portugal, a mortalidade ainda é elevada: todos os anos falecem cerca de 1800 homens devido a este tumor.

Para o Dr. Carlos Rabaça, assistente graduado de Urologia do Instituto Português de Oncologia de Coimbra e médico na clínica Cetruc, «trata-se de um cancro cuja incidência aumenta com a idade, particularmente, a partir dos 40 anos». Como tal, a preocupação dos especialistas é alertar para a importância do diagnóstico o mais cedo possível, já que o cancro da próstata é o terceiro mais mortal no homem, a seguir ao cancro do pulmão e colo-rectal.

Segundo as recomendações internacionais, todos os homens, a partir dos 50 anos, devem fazer uma avaliação anual da sua próstata. No entanto,«O aparecimento de inúmeros casos de cancro da próstata em idades cada vez mais precoces leva-nos a recomendar a vigilância regular apartir dos 40 anos», esclarece o urologista.

De acordo com o Dr. Amílcar Sismeiro, director do Serviço de Urologia do IPO de Coimbra e urologista na Cetruc, «o diagnóstico precoce tem permitido fechar o cerco ao cancro da próstata». E como? «A avaliação da próstata baseia-se em três exames», completa o especialista. «Em primeiro lugar através da observação clínica, através do toque rectal, em que o médico por intermédio da palpação da próstata consegue detectar irregularidades ou assimetrias na superfície da glândula.» O antigénio específico da próstata (vulgo PSA) é um marcador tumoral, surgido há pouco mais de duas décadas, que «permite suspeitar a presença de uma neoplasia com sede na glândula», afiança Amílcar Sismeiro. Os especialistas socorrem-se, ainda, da ecografia transrectal, um exame imagiológico que «mostra a estrutura da próstata, permitindo identificar eventuais lesões suspeitas, nomeadamente se estiverem localizadas na periferia da glândula».

Ausência de sintomas atrasa diagnóstico.

Contrariamente ao que se julga, o cancro da próstata não apresenta quaisquer sinais numa fase inicial. «Há alguns homens que confundem os sintomas de hiperplasia benigna da próstata (HBP), associada a dificuldades miccionais, com o cancro da próstata. Contudo, as queixas relacionadas com o tumor surgem, apenas, numa fase já avançada, em que a doença já se disseminou a outros órgãos, nomeadamente aos ossos», aponta Carlos Rabaça.

Segundo Amílcar Sismeiro, depois do PSA, registou-se uma «revolução» no diagnóstico do cancro da próstata: «Mais de 80% dos tumores detectados na últimas década estão localizados no órgão, o que eleva as possibilidades de cura.» Até há uns anos, as hipóteses de sobreviver a um cancro da próstata «eram reduzidas e as perspetivas de tratamento eram meramente paliativas», adianta o urologista.

Embora o PSA seja uma ferramenta «fundamental na suspeita precoce de cancro, este marcador não é cem por cento fiável». Deste modo, o passo seguinte, quando existe uma suspeita, é realizar uma biopsia. «Este exame, que consiste na recolha de fragmentos da próstata, por via ecoguiada e transrectal, é o único que nos permite confirmar, sem sombra de dúvidas, a existência de cancro», assegura Amílcar Sismeiro.

Mas, antes de remediar, os homens devem fazer exames regulares, pois só assim sabem qual o estado de saúde da próstata. «A maior parte dos casos são detetados em consultas de rotina», confirma o urologista Amílcar Sismeiro. Esta detecção precoce, avança o especialista, «pode ser determinante no sucesso do tratamento».

Combater o tumor, segundo Carlos Rabaça, o tratamento do cancro da próstata depende da extensão da doença. «Apenas a doença localizada tem cura. Quando o tumor está disseminado, ou seja, metastizado, já não há possibilidade de cura, o que não quer dizer que não haja tratamento. Nestes casos, a opção terapêutica recai sobre a hormonoterapia, um procedimento que controla a doença apenas entre 2 a 4 anos, não evitando a progressão para a morte», esclarece.

Quando o tumor se encontra num estado avançado e se alastra a outras partes do corpo, os médicos podem ainda recorrer à quimioterapia e a fármacos(bisfosfonatos) que ajudam a preservar o osso das metástases.

No entanto, quando o tumor ainda está localizado apenas na próstata, as taxas de sucesso são elevadas.

«Os tumores iniciais são aqueles que têm cura, havendo apenas três tipos de tratamentos curativos para o cancro da próstata", fundamenta Carlos Rabaça. "Aquele considerado mais eficaz é a prostatectomia radical, que consiste na remoção cirúrgica da próstata, com uma sobrevida elevada mas com dois efeitos secundários possíveis importantes: a disfunção erétil e a incontinência urinária. Em alternativa à cirurgia, alguns doentes optam por radioterapia externa, método com menor compromisso da função sexual e sem repercussões na continência urinária, mas com taxas de cura inferiores às da cirurgia e não desprovido de efeitos secundários importantes e igualmente incapacitantes, como a rectite radica, a cistite radica, ou a alteração do transito intestinal".

Ainda segundo Carlos Rabaça, "Recentemente foi introduzido um terceiro tipo de tratamento, a braquiterapia prostática, uma forma de radioterapia intersticial, que consiste na introdução de sementes radioativas na próstata sob anestesia)". Refere o clínico "Tratar-se de um método que demonstrou taxas de cura sobreponíveis às da prostatectomia radical, na maior parte dos cancros da próstata, mas com muito menos efeitos secundários, pelo que é cada vez mais o preferido pelos doentes". Nos EUA, por exemplo, é o método mais escolhido, sendo o preferido por mais de metade dos doentes.

CX1:


Sementes que curam.


A braquiterapia moderna, que apareceu há pouco mais de 15 anos nos Estados Unidos da América, veio revolucionar o tratamento do cancro da próstata em todo o mundo. Em Paris, no ano de1903 Pierre curie descobre os princípios do material radioactivo e inicia os tratamentos oncológicos (nascimento da braquiterapia). No início da década de 1990 um novo exame, a ecografia transrectal (meio de diagnóstico por imagem), viria a revolucionar o tratamento do cancro da próstata, aperfeiçoando a técnica, quer nos Estados Unidos da américa, quer na Europa, inaugurando, desta forma, a braquiterapia moderna.

Esta técnica minimamente invasiva tem conquistado adeptos de Norte a Sul do País. Mas, afinal, em que consiste a braquiterapia?

«Trata-se de um procedimento que visa a introdução de sementes radioativas no interior da próstata. Este material é colocado com a ajuda de agulhas, em locais estratégicos que delimitam o órgão. Uma vez dentro da glândula próstática, as sementes vão tratando o cancro», garante o Dr. Guy Vieira, médico radioterapeuta da Cetruc, em Coimbra.

«É uma intervenção simples, que dura apenas uma hora. Após esse período de tempo, por precaução, o doente fica no recobro, mas pode ter alta no dia seguinte, retomando rapidamente a sua atividade diária, sem restrições.» Os resultados que se «obtêm com a braquiterapia são idênticos aos da radioterapia externa e prostatectomia radical, mas com muito menos efeitos secundários nos órgãos vizinhos».

CX2:


Qual a melhor opção?

- Prostatectomia radical: técnica que consiste na remoção total da próstata; apesar da elevada taxa de sucesso (próximo dos 90 por cento), após esta intervenção, o doente poderá manifestar sintomas de incontinência urinária (quase universal nos primeiros meses, mas permanente em 3-10% dos doentes) ou de disfunção eréctil (entre 50 a 90 por cento dos doentes);

- Radioterapia externa: feixes radioactivos que são emitidos sobre a próstata, durando o tratamento cerca de 2 meses;

- Braquiterapia: técnica da família da radioterapia, mas minimamente invasiva e que permite uma intervenção em regime de ambulatório, ou com internamento de apenas um dia. Taxa de sucesso idêntica à da cirurgia radical, na maior parte dos tumores.

- Quimioterapia: tratamento indicado para doentes cujo tumor se encontra numa fase avançada;

- Hormonoterapia: administração de fármacos que inibem a acção da testosterona (castração química); é uma técnica usada em cancros avançados, não sendo curativa;

- Crioterapia ou tratamento localizado com ultrassons de alta intensidade (HIFU): os resultados destas técnicas são controversos, não sendo considerados pela comunidade científica como formas de tratamento de 1ª linha.

Biópsia Prostática de Fusão

Saber mais

Braquiterapia Prostática

Saber mais

Cancro da Próstata

Saber mais

Cancro da próstata - Novas perspectivas

Saber mais
Definições de Cookies

A CETRUC pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.